Jornal Agora | Presidente em exercício, Rodrigo Maia sanciona Orç ...
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

POLÍTICA

- 10-01-2017 - 20h18min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Presidente em exercício, Rodrigo Maia sanciona Orçamento de 2017 sem vetos

Esta é a primeira peça orçamentária publicada sob vigência da emenda constitucional (PEC 55/2016) que estabelece teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos
fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar
Foto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia, assumiu o Palácio do Planalto após viagem do presidente Michel Temer a Portugal

Foto: Antonio Augusto / Câmara dos Deputados

Presidente em exercício, Rodrigo Maia sanciona Orçamento de 2017 sem vetos

Rodrigo Maia, assumiu o Palácio do Planalto após viagem do presidente Michel Temer a Portugal

O presidente da República em exercício, Rodrigo Maia, sancionou na terça (10), sem vetos, o Orçamento Geral da União de 2017. Maia assinou a medida assim que chegou ao Palácio do Planalto, por volta das 10h30, segundo sua assessoria. Esta é a primeira peça orçamentária publicada sob vigência da emenda constitucional (PEC 55/2016) que estabelece teto para os gastos públicos pelos próximos 20 anos.

Maia exerce interinamente a Presidência da República porque o presidente Michel Temer está em Portugal, onde participa do funeral do ex-presidente português Mário Soares. A lei será publicada nesta quarta (11) no Diário Oficial da União.

O Orçamento foi aprovada pelo Congresso Nacional no dia 15 de dezembro com previsão de R$ 3,5 trilhões de gastos federais de 2017 e salário-mínimo de R$ 945,8. No entanto, no dia 29 de dezembro, o governo corrigiu o cálculo do salário-mínimo e anunciou, por decreto, o valor de R$ 937, em vigor desde o dia 1º de janeiro.

O Orçamento estima em 1,3% o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas em um país) para 2017 e prevê 4,8% de inflação. A peça orçamentária trabalha com a estimativa de que a taxa básica de juros, a Selic, fique em 12,11%, e projeta um câmbio de R$ 3,43 por dólar.

A lei prevê que as despesas com juros e amortização da dívida pública consumirão R$ 1,7 trilhão. Segundo o texto, R$ 306,9 bilhões serão destinados ao pagamento de pessoal na esfera federal, R$ 90 bilhões vão para investimentos das estatais e R$ 58,3 bilhões para investimentos com recursos do Orçamento Fiscal e da Seguridade Social. Essa última dotação subiu R$ 19 bilhões em relação à proposta original. O aumento decorreu de emendas de deputados e senadores às despesas de 2017.

Por Ag. Brasil


comente Comentários(0)

Participe


Sua opinião Agora

A polêmica criação de uma faixa, com cerca de 800m, de exclusão de veículos na Praia do Cassino – entre as ruas Rio de Janeiro e Pelotas – vem dividindo opiniões. O Agora quer saber qual é a sua posição:

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados