Jornal Agora | Após mortes em presídios, juízes mandam soltar pre ...
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

JUSTIÇA

- 10-01-2017 - 20h05min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Após mortes em presídios, juízes mandam soltar presos no Amazonas e em Roraima

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

Os assassinatos de pelo menos 95 presos em estabelecimentos prisionais do Amazonas e de Roraima motivaram juízes estaduais a determinar a soltura de um grupo de presos que os magistrados consideram não oferecer risco à população.

No Amazonas, o juiz plantonista Leoney Figlioulo Harraquian atendeu ao pedido da Defensoria Pública estadual e ordenou a soltura de sete homens que estavam detidos em unidades prisionais de Manaus por não pagarem pensão alimentícia. Em sua decisão, o magistrado anotou que levou em conta a atual crise do sistema prisional amazonense, onde, desde o primeiro dia do ano, pelo menos 64 presos foram mortos.

Harraquian condicionou a libertação ao compromisso dos sete presos de pagar as pensões atrasadas em, no máximo, 30 dias, sob pena de serem presos novamente. O juiz ainda enfatizou que cada caso está sendo analisado criteriosamente e que os devedores de pensão estavam expostos a perigo maior, pois cumpriam medidas coercitivas ao lado de condenados por crimes comuns.

Já em Roraima, o juiz da Vara de Execução Penal, Marcelo Lima de Oliveira, e a juíza plantonista Suelen Márcia Silva Alves, determinaram, em caráter emergencial e liminar, que os 160 presos que cumpriam pena no regime semiaberto no Centro de Progressão Penitenciária (CPP), em Boa Vista, passem a cumprir a pena em casa.

A decisão deve vigorar por dez dias, de 7 a 13 de janeiro. Os presos, que já tinham recebido antes autorização para trabalhar fora da unidade prisional, não deverão deixar suas casas entre 20h e 6h e durante os finais de semana; não deixar Boa Vista sem prévia autorização judicial; não frequentar bares; casas noturnas ou estabelecimentos do gênero; não portar armas de fogo ou qualquer instrumento que possa ser usado como armamento e voltar a se apresentar no CPP até as 20h do próximo dia 13.

Por Ag. Brasil


comente Comentários(0)

Participe


Sua opinião Agora

No dia 12 de janeiro, o prefeito Alexandre Lindenmeyer tornou pública a decisão do Executivo em não destinar verba para o Carnaval Oficial do Município. Após o anúncio, a Liga Independente das Escolas e Entidades do Samba do Rio Grande (Lieesa) decidiu não realizar o evento. O que você achou da decisão do Executivo de não destinar verba pública para o Carnaval?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados