Jornal Agora | Torneira fechada
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

EDITORIAL

- 11-01-2017 - 13h21min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Torneira fechada

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

Pode-se entender perfeitamente que as prefeituras municipais restringirão verbas para a realização do carnaval deste ano. Na verdade, não existe orçamento para ser aplicado nas áreas da saúde, educação e segurança, entre outras. Então, como pode haver verba para a festa popular de fevereiro?

Entendemos que determinados eventos, mesmo sendo populares, devem partir das entidades, com o mínimo de participação dos municípios. No entanto, é possível compreendermos também que a possibilidade de uma parceria nesse investimento pode ser positiva, já que o carnaval gera um forte impacto turístico, com retorno às Prefeituras, devido à arrecadação de impostos oriundos do consumo em bares, restaurantes, hotéis, táxis, lojas e outros. Com isso, admite-se que a municipalidade tenha o dever de apoiar, mesmo com redução de dinheiro.

É impossível, no caso do Rio Grande, como exemplo, a Prefeitura se comprometer com verba de grande porte para o carnaval, enquanto a Santa Casa está de chapéu na mão, em busca de dinheiro para sanar seus problemas. Assim, entendemos que o Município pode e deve garantir a estrutura necessária para os desfiles das entidades carnavalescas, e com isso, que cada entidade busque a melhor condição para que realizem a apresentação do carnaval popular, fazendo um reinado de Momo por três dias, no Cassino.

Considerando o momento de crise aguda que vive o Município, assim como o governo estadual, não é hora para jogar dinheiro pro ar, devido à existência de outras prioridades.

Como pode o chefe do Executivo dizer que está em dificuldade para solucionar problemas graves colocados a sua frente, enquanto, por outro lado, abre seus cofres para o carnaval, para o futebol profissional e amador e outros eventos de segunda linha?

É necessário entender que o momento exige austeridade de gastos, objetivando uma melhor maneira para bem gerenciar os recursos públicos.


comente Comentários(4)

Participe


Sua opinião Agora

No dia 12 de janeiro, o prefeito Alexandre Lindenmeyer tornou pública a decisão do Executivo em não destinar verba para o Carnaval Oficial do Município. Após o anúncio, a Liga Independente das Escolas e Entidades do Samba do Rio Grande (Lieesa) decidiu não realizar o evento. O que você achou da decisão do Executivo de não destinar verba pública para o Carnaval?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados