Jornal Agora | Roda de conversa trata da utilização da Carteira ...
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

MARÇO LILÁS

- 20-03-2017 - 10h14min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Roda de conversa trata da utilização da Carteira de Nome Social

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar
Foto: Nicole Collares/PMRG

Encontro integrou a programação do "Março Lilás"

Nicole Collares/PMRG

 Roda de conversa trata da utilização da Carteira de Nome Social

Encontro integrou a programação do "Março Lilás"

O Executivo Municipal, através da Secretaria de Gestão Administrativa (SMGA), realizou na tarde da última sexta-feira (17), uma roda de conversa sobre utilização da Carteira de Nome Social e linguagem inclusiva para servidores públicos da Prefeitura Municipal. A ação, que foi realizada na sede da SMGA (Buarque de Macedo, 200), contou com as representantes da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra) e foi ministrada por Keyla Simpson.

O encontro integrou a programação do "Março Lilás - Nenhum direito menos", projeto desenvolvido pela Coordenadoria de Políticas Públicas para as Mulheres com o intuito de reafirmar o compromisso em promover a luta das mulheres por seus direitos na sociedade.

De acordo com a secretária da SMGA, Juliana Rocha Costa, o objetivo da roda de conversa foi trazer esse debate para dentro dos espaços dos servidores. “Nós convidamos os administrativos de todas as secretarias porque nós entendemos que todo aquele servidor público que faz atendimento tem que aprender a como melhor atender esse público”, afirmou.

Na ocasião, a representante do Antra, Keyla Simpson, respondeu as dúvidas dos presentes, apresentou vivências com o uso do nome social e também comentou a objetificação dos corpos das mulheres trans. “Uma pessoa quando chega aqui, ela não quer ser tratada como homem, como está lá no registro de nascimento ou no seu RG. Porque aquele RG, muito embora seja um documento oficial, que foi feito há muitos anos, hoje não reflete a sua realidade como ela é. Então, para um servidor ou uma servidora que se depara com uma situação dessas, a pergunta mais fácil a ser feita é: como você gostaria de ser chamado ou chamada?”, relatou.

PALESTRA

Também na última sexta, às 14h, no auditório do Centro de Convivo dos Meninos do Mar (CCMar) da Universidade Federal do Rio Grande (Furg), uma palestra com o tema “Saúde para População Trans”.

Ministrada pela assistente técnica do Departamento das ISTs/ do HIV – Aids e das hepatites virais do Ministério da Saúde, Alicia Kruger, que falou sobre doenças e a forma correta de tratamento dos especialistas da área com a população LGBTT. E, também, pela Conselheira Estadual LGBTT, Luisa Giordana de Abreu, que falou sobre a carteira de nome social.

 Ao longo do evento, as palestrantes debateram com funcionários da área da saúde e com demais convidados acerca da forma correta de se referir à população LGBTT e a forma de elaboração da carteira de nome social.  (Fonte: PMRG)


comente Comentários(1)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados