Jornal Agora | Grupo pede auditoria externa da Santa Casa em prot ...
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

DENÚNCIAS

- 15-03-2017 - 15h45min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Grupo pede auditoria externa da Santa Casa em protesto

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar
Foto: Fabio Dutra

Manifestantes repudiam a forma como vem sendo administrada a Santa Casa desde a intervenção do Executivo Municipal

Foto: Fabio Dutra

Grupo pede auditoria externa da Santa Casa em protesto

Manifestantes repudiam a forma como vem sendo administrada a Santa Casa desde a intervenção do Executivo Municipal

TATIANE FERNANDES

tati@jornalagora.com.br

Cerca de 20 pessoas reuniram-se em protesto, no final da tarde de ontem (14), pedindo auditoria externa imediata da Associação de Caridade Santa Casa. O grupo que se autodenomina “Somos Todos Santa Casa” repudia a forma como vem sendo administrada a Santa Casa desde a intervenção do Executivo Municipal, que ocorreu no dia 1º de abril de 2015. O protesto começou em frente à Prefeitura e seguiu até a Câmara Municipal.

Integrante do grupo, a ex-gestora de marketing da Associação de Caridade Santa Casa, Thais Nunes, que também trabalhava na direção técnica da instituição, fez uma série de acusações sobre a gestão. Ela afirma que os serviços foram reduzidos, que o hospital perdeu referência nas altas complexidades, que há uma dívida de mais de R$ 70 milhões em títulos protestados, entre várias outras acusações. O empresário do ramo de transportes Adalberto Pereira acredita que a Santa Casa, depois da intervenção, acumulou uma dívida de mais de R$ 200 milhões.

Em razão dessas e de outras denúncias de má gestão, o grupo pede que a auditoria externa seja feita o mais breve possível e, se for necessário, que se prolongue a intervenção, que está prevista para encerrar no dia 30 de março. “Não estamos envolvidos em política, nossos motivos são sociais. A auditoria vai nos revelar a situação política, econômica e jurídica da Santa Casa, demonstrando para a sociedade a situação dessa intervenção obscura”, argumentou Thais. O grupo não aceita que a administração do hospital seja repassada antes da auditoria externa. Segundo os manifestantes, a auditoria precisa ser feita pelo Ministério Público ou através da Câmara Municipal, onde já protocolaram o pedido.

CONTRAPONTO

Sobre os motivos do protesto, o secretário de Comunicação e Relações Institucionais, Paulo Rodrigues, voltou a afirmar que o Executivo e a administração da Santa Casa não se opõem a uma auditoria externa, pelo contrário, de acordo com ele, tanto o Executivo quanto a instituição são totalmente favoráveis à auditoria, que poderá contribuir com a nova gestão que assume o hospital no dia 1º de abril.

Rodrigues informou que, antes de entregar a gestão, os interventores farão a prestação de contas com base em dados da auditoria interna da Santa Casa. A prestação de contas com balanço dos dois anos de intervenção, segundo ele, está prevista para o dia 30. O secretário disse ainda que a auditoria interna foi feita, já a viabilidade de uma auditoria externa deverá ser feita por um órgão externo, e isso não depende da administração da Santa Casa.

VEREADORES

O grupo seguiu em protesto até a Câmara de Vereadores, onde foi recebido pelo vereador presidente, Charles Saraiva (PMDB), pelo vereador Julio Cesar (PMDB) e outros que se dispuseram a solicitar auditoria por meio do Tribunal de Contas do Estado (TCE) ou que se viabilize auditoria por meio de uma empresa de consultoria.

Vale lembrar que, no ano passado, foi solicitada na Câmara auditoria externa da Santa Casa. O processo foi consultado e negado pelo DPM e também pelo Igam, que entenderam que a Câmara Municipal não poderia gastar verbas com este fim.


comente Comentários(1)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados