Jornal Agora | Rodolfo Lima Maternsen
 
fechar
fechar

Seu voto foi registrado. Agradecemos sua participação.

Seu voto já foi computado nas últimas 24 horas.

Resultado parcial

Atenção: o resultado desta enquete não tem valor de amostragem científica e se refere apenas a um grupo de
                 leitores do Agora Online.
Redes sociais
voltar

Rio Grande 280 anos

- 16-02-2017 - 22h47min
fechar
enviar Máximo 500 caracteres
* Ao enviar qualquer comentário, o usuário declara-se ciente e aceita integralmente o termo de uso
fechar

Comunicar erro

Se você encontrou alguma informação que esteja errada, utilize este espaço para reportar erros.

enviar Máximo 500 caracteres
fechar

Envie esta notícia para um amigo

» Adicionar mais um destinatário

enviar Máximo 500 caracteres

Rodolfo Lima Maternsen

fechar

Galeria de vídeo

fechar

Galeria de áudios

fechar
Foto: Reprodução

Rodolfo Lima Martensen nasceu em 13 de maio de 1915 na Cidade do Rio Grande, filho de Willy Bertholdo Martensen e Dora Rutter, sobrinho de Ianh Emil Martensen. Faleceu dia 28 de outubro de 1992, em São Paulo, cidade onde viveu a maior parte de sua vida, embora sempre que possível retornava a Rio Grande, onde conviveu com Aparício Torelly – Barão de Itararé. Em setembro de 1991, esteve pela última vez em sua Terra Natal para receber a Homenagem de “Rio Grandino Ilustre” da Câmara do Comércio do Rio Grande.

Rodolfo, com seu talento e criatividade, foi um excelente Radialista e Publicitário, um dos mais importantes Publicitários no desenvolvimento da Publicidade no País e um dos Publicitários Brasileiros mais premiados no Brasil e Exterior, a partir da Década de 1940. Em sua trajetória, escreveu os livros “Danuta” e “O Desafio de Quatro Santos”, e ainda coordenou e foi co-autor do livro “História da Propaganda no Brasil”.

Em 20 de setembro de 1931, Rodolfo colocou no ar a EAX-4, primeira Rádio Pirata da Cidade, na qual ele era o Locutor e Antônio Joaquim Barreto era o Responsável Técnico, os quais adquiriram os equipamentos (transmissor, antena, microfone e fones de ouvido) de um técnico de rádio local. Neste mesmo ano, Rodolfo adquiriu tuberculose e mudou-se para São José dos Campos/SP em busca de tratamento, porém, devido ao interesse de seu Tio Raul de Lacerda Werneck, a rádio não fechou. Em 1932, a rádio foi oficializada e denominada “Rádio Sociedade do Rio Grande”, primeira Emissora de Rádio da Cidade do Rio Grande, instalada no Clube Saca Rolhas.

Em 1933, Rodolfo mudou-se para a Cidade de São Paulo, onde trabalhou como Locutor, Redator e Produtor de Programas na Rádio São Paulo, recém-inaugurada por Paulo Machado de Carvalho. Em 1935, coordenou o programa de lançamento, na Rádio Difusora, de um sabonete da Empresa Irmãos Lever do Brasil e fundou a “Companhia Royal de Rádio Produções”, agência para criação de programas radiofônicos. Em 1937, assumiu a Direção do Departamento de Rádio da “Lintas Propaganda”, do Grupo Unilever, com sede em Londres, e posteriormente foi Diretor da Empresa no Brasil e América do Sul, idealizador do Programa Levertimentos.

Na Década de 1940, Rodolfo ministrou o curso promovido pela Associação Paulista de Propaganda, atual APP Associação dos Profissionais da Propaganda. Em 1947, representou o Brasil no I Congresso Internacional de Propaganda em Paris.

No início da Década de 1950, Rodolfo foi convidado por Pietro Maria Bardi, então Presidente do MASP Museu de Arte de São Paulo, para apresentar o projeto de um Curso de Propaganda a ser ministrado no Instituto de Arte Contemporânea do MASP, o qual foi aprovado em outubro de 1951. Tendo contado com apoio de Assis Chateaubriand, então Presidente dos Diários Associados, surgiu a “Escola de Propaganda do MASP", primeira Instituição a formar profissionais de nível superior em Publicidade e Propaganda da América Latina, da qual Rodolfo se tornou Diretor Presidente. Em 1955, a Escola mudou-se para outro edifício, tornando-se autônoma, atual “ESPM Escola Superior de Propaganda e Marketing”, uma das mais importantes Instituições de Ensino de Publicidade e Propaganda do Brasil. Neste mesmo ano, Rodolfo ganhou o Prêmio Publicitário Modelo da APP. Em 1957, foi Presidente da Comissão Técnica de Propaganda do I Congresso Brasileiro de Propaganda no Rio de Janeiro.

Em 1966, passou a ser Diretor do Conselho Nacional de Propaganda. Em 1970, foi escolhido “Publicitário do Ano” pela Revista Propaganda. Em 1971, afastou-se do Cargo de Diretor da ESPM. Passou a dedicar-se a Consultoria de Marketing.

Em sua homenagem, foi criada a “Medalha do Mérito ESPM Rodolfo Lima Martensen” com a finalidade de reconhecer os méritos de personalidades, órgãos, entidades públicas e privadas que se destacam pelas contribuições prestadas à educação e à pesquisa, especialmente voltadas às áreas de Comunicação, Marketing e Gestão.

 

Coord. Colab. THAÍS NUNES, Gestora de Marketing


comente Comentários(0)

Participe


Sua opinião Agora

Você acha que os mandatos dos vereadores Batatinha e João da Barra devem ser cassados?

resultado votar
Veja mais

Plantão



Comparte Jornal Agora - Todos os direitos reservados